Sindicatos de funcionários dos Correios orientam para trabalhadores manterem greve

  • Por Jovem Pan
  • 13/03/2018 07h35
Fernando Frazão/Agência BrasilA Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares divulgou comunicado na noite desta segunda-feira (12) onde declara que a decisão do TST foi um ataque

O Tribunal Superior do Trabalho decidiu alterar as regras do plano de saúde dos Correios e autorizar a cobrança de mensalidade dos funcionários da estatal e dos dependentes deles.

A decisão acontece durante uma paralisação dos funcionários dos Correios, que começou na noite de domingo e uma das razões apontadas pelo sindicato da categoria para a decretação da greve foi justamente a tentativa da direção da estatal de promover alterações no plano de saúde.

Atualmente os Correios bancam mais de 90% do custo do plano de saúde e, com as mudanças, o ministro do Trabalho Corrêa da Veiga estima que 30% do custo do plano será pago pelos servidores e os outros 70% pelos Correios.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares divulgou comunicado na noite desta segunda-feira (12) onde declara que a decisão do TST foi um ataque e que o órgão da justiça trabalhista está agredindo um direito histórico da categoria. Com isso, a FENTECT orienta pela continuidade da greve.

Nesta terça, a diretoria da federação procura a assessoria jurídica para esclarecer as dúvidas e traçar novas estratégias de defesa dos direitos dos funcionários dos Correios.

À tarde, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares analisam a decisão do TST junto aos representantes de cada região do país e decidem por seguir ou não com a paralisação.

*Informações da repórter Neila Carvalho