‘Todo mundo ficou com medo, estamos sitiados em casa’, diz brasileiro na Nova Zelândia

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2019 08h17
EFE"Nós aqui estamos sitiados em casa, porque não se sabe se tem mais gente fora, se estão caçando”, disse o brasileiro

Dois ataques a mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, deixaram, até o momento, ao menos 49 mortes e 48 feridos na tarde desta sexta-feira (15), horário local. A Polícia orientou a população a não sair de casa e permanecer alerta.

Um dos ataques foi gravado e transmitido ao vivo via redes sociais pelo próprio agressor, que aparece em trajes militares dentro da mesquita disparando à queima-roupa em várias pessoas com uma arma automática. Nas redes sociais também circula um manifesto dos agressores que incluiria qualificações pejorativas contra os muçulmanos.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o brasileiro Hugo Alvarenga, que mora em Christchurch há mais de três anos e atua como suporte de TI, lamentou o ato, que as autoridades consideram como terrorismo.

“É uma cidade de 400 mil habitantes, a Nova Zelândia nunca foi alvo para terrorismo, é uma cidade muito tranquila. A Nova Zelândia recebe muitos imigrantes. Aparentemente foi um australiano que mudou para cá, um extremista e queria se vingar dos ataques na Europa e atacou duas mesquitas (…) Infelizmente foi um ataque horrível. Ele postou o vídeo ao vivo atirando nas pessoas. Foi algo muito chocante. Infelizmente algumas pessoas compartilharam e todo mundo que viu ficou em choque, com medo. Nós aqui estamos sitiados em casa, porque não se sabe se tem mais gente fora, se estão caçando”, disse.

Segundo Hugo, com base na imprensa local, o Exército do país está na cidade para atuar na segurança. “A cidade tem número bom de policiais, aparentemente não é problema de segurança em si. Não parece terrorismo do islamismo contra a Nova Zelândia, mas ao contrário. A gente se mantém em casa, protegido, atento a qualquer barulho. É uma situação totalmente diferente”, relatou Hugo.

Confira a entrevista completa com o brasileiro Hugo Alvarenga:

Ataques

Duas mesquitas em Christchurch, terceira maior cidade da Nova Zelândia, sofreram ataques a tiros nesta sexta-feira (15). Dezenas de pessoas ficaram feridas. Até o momento, segundo a Polícia, são pelo menos 49 mortos e 48 feridos.

A Polícia confirmou que o alerta continua em nível máximo em todo país, por conta dos ataques, classificados de “terroristas”.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, afirmou que esta sexta “é um dos dias mais sombrios” da história do país. As autoridades locais pediram que as pessoas não saiam às ruas. “Isto só pode ser descrito como um ataque terrorista”, afirmou a premiê.

Um homem vestido de preto foi visto entrando na Masjid Al Noor por volta das 13h45, e logo depois várias rajadas de tiros foram ouvidas. Muitas pessoas correram para fora do local. Na mesquita Linwood Masjid, que fica em um subúrbio de Christchurch, cinco tiros foram ouvidos, e há relatos de ao menos dois feridos.

Quatro pessoas chegaram a ser detidas, segundo o comissário da Polícia da Nova Zelândia, Mike Bush. Ele manifestou que apresentaram acusações por assassinato contra um dos detidos, descrito como um homem de aproximadamente 30 anos, que estará à disposição da Justiça.

Dos outros três detidos, o comissário afirmou que dois estavam de posse de armas e o envolvimento deles no ataque será investigado, enquanto que a quarta pessoa não tinha relação com o caso e foi liberada.