DJ Alok sobre engajamento em causas sociais: ‘Conheci um Brasil que poucos enxergam’

  • Por Jovem Pan
  • 20/03/2019 12h17
Johnny Drum/Jovem PanAlok foi o convidado do Morning Show desta quarta-feira

O Morning Show recebeu o DJ Alok nesta quarta (20), e ele falou sobre a “treta” com a Roberta Miranda e seu envolvimento em causas sociais.

Alok, que apoia trabalhos humanitários na África, recentemente esteve no sertão baiano confrontando uma outra realidade.

“Conheci um Brasil que poucas pessoas enxergam e eu não tinha noção. Já faz cinco anos que vou para a África e a realidade que encontrei lá não foi muito diferente, tanto estruturalmente como de dignidade humana”, disse.

O DJ contou que ficou muito chocado com a situação e, por isso, está criando o projeto Vila da Esperança. “Vou fazer centro de acolhimento, escola, dar casa pra eles, levar água, deixar ela potável. (…) O que me chocou mesmo ali é que há 100 km tem uma cidade legal, então é realmente um abandono. O governo não tem interesse em fazer uma estrutura ali”, explicou.

Alok também afirmou que a música é uma ferramenta para que ele faça o que realmente dá sentido para sua vida. “Eu já entrei em depressão profunda quando achei que tinha sucesso, o bem material, até a fama, e tudo isso pra mim foi muito vazio. Eu percebi que o que preenchia meu coração era fazer exatamente o que faço nos projetos sociais”.

Sobre Roberta Miranda, Alok explicou à bancada o que, de fato, faz um DJ. “No meu caso, sou produtor antes de ser DJ. Eu faço toda a pré-produção, às vezes componho a letra, outras pego de alguém e vou produzindo.”

“Por exemplo, meus pais são DJs há 20 anos e o que eles fazem é a parte da mixagem ao vivo. Mas depende, é muito variável o formato, é difícil dizer o que cada DJ faz”, explicou.

O DJ ainda garantiu que não tem ressentimentos da cantora. “Não fiquei magoado de forma alguma porque isso é uma coisa muito comum. É uma questão cultural, as pessoas não têm entendimento [da profissão]. E quando eu vou no Faustão e ‘aperto o play’, as pessoas acham que é só isso”, disse.