‘Acho que seria melhor gestor do que ele’, diz João Amoêdo sobre governo de Jair Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 04/04/2019 12h04
Johnny Drum/Jovem PanJoão Amoêdo foi o convidado do Morning Show nesta quinta (4)

Em meio às discussões sobre a reforma da Previdência, João Amoêdo pondera que o governo de Jair Bolsonaro tem perdido muito tempo com assuntos menos relevantes para o País e, em sua visão, ele estaria mais preparado para enfrentar essas dificuldades.

“Eu acho que seria melhor gestor do que ele por questão de preparo, de equilíbrio e por própria experiência de gestão. Não entro nos aspectos políticos porque acho que a experiência dele no Congresso, apesar de ser muito longa, não foi uma experiência muito rica em negociação, como estamos vendo agora na dificuldade de aprovar a Previdência”, disse o empresário durante entrevista ao Morning Show nesta quinta (4).

“É difícil o que ele está enfrentando, mas acho que muitos dos problemas têm sido causados por ele mesmo. Ele podia deixar de lado as polêmicas e focar naquilo que é importante para quem tá desempregado, pra todo mundo que quer o crescimento do País, a gente podia estar avançando mais e certamente o Bolsonaro teria uma vida mais fácil”, avaliou o ex-candidato à Presidência.

Durante a campanha eleitoral, foram feitas diversas comparações entre o candidato do Novo e o do PSL, mas para Amoêdo elas não se justificam.

“Havia uma tendência de renovação da retirada do PT e por isso as pessoas pensavam ‘o Amoêdo é mais preparado, mas não podemos correr o risco, então vamos votar naquele que tem mais chance [de ganhar]'”.

“Parte dos eleitores normalmente tem a preocupação de escolher quem é o melhor candidato, mas o que faz diferença na nossa vida não é o melhor candidato e sim o melhor gestor”, afirmou Amoêdo.

O empresário ainda reforçou que Jair Bolsonaro precisa estabelecer suas prioridades governamentais, classificando como equivocado o momento escolhido para a viagem a Israel.

“Foi um erro. Israel é um país sensacional, temos muito a aprender com eles, mas agora não é a hora, ele tem que definir as prioridades. Ficou claro ontem na discussão do Paulo Guedes que ele precisa de ajuda dos partidos que defendem a reforma da Previdência, precisa do endosso constante do presidente. A gente está perdendo tempo”.

Sobre as eleições de 2022, Amoêdo garante que ainda não pensa em se candidatar. “Não estou pensando ainda sobre isso, o objetivo principal agora é fazer o Novo se consolidar, é um partido muito recente e temos a preocupação de fazer dele uma instituição”.