Pabllo Vittar defende ‘pink money’, mas ressalta: ‘Faço parcerias com marcas que se importam’

  • Por Jovem Pan
  • 06/02/2019 12h34
Johnny Drum - Jovem PanPara a cantora, ter consciência do que se consome pode evitar que marcas que não são abertas a diversidade se aproveitem do mercado consumidor LGBTQ

Pabllo Vittar tem o costume de fazer parcerias com marcas para aparecerem em seus clipes. No vídeo de “Seu Crime” não foi diferente. A cantora mostrou duas empresas, de cerveja e de preservativos. O acordo entre marcas e artistas LGBTQ como Vittar é chamado de “Pink Money” (Dinheiro rosa, em tradução livre). Esse tipo de transação é polêmica, já que há quem diga que companhias se aproveitam do público que defende causas para vender seus produtos.

Durante participação no Morning Show desta quarta-feira (6), Pabllo explicou que costuma escolher as marcas parceiras com base no respeito a sua orientação sexual. “[A relação com] as marcas que estão comigo nos clipes é uma coisa muito natural. (…) Eu tento fazer parecerias com marcas que se importam com minha vivencia”, aponta.

Para Pabllo Vittar, não há problema fazer uso do Pink Money contanto que haja consciência sobre o que se está consumindo. “Falando do Pink Money, [essa] é uma verdade que não é só do Brasil. Eu sempre falo para as pessoas ‘mana, se liga no que você está ouvindo, em que shows você vai, será que esse artista está interessado na sua vivência, será que quer o seu bem? ’”, argumentou.