Porchat elogia postura de William Waack em seu programa: “foi verdadeiro e generoso”

  • Por Jovem Pan
  • 06/03/2018 11h44
Johnny Drum/Jovem PanHumorista comentou a reestreia do "Programa do Porchat"

O Programa do Porchat, comandado por Fábio Porchat na madrugada da Rede Record, voltou ao ar após uma longa temporada de férias. E voltou em grande estilo. O convidado da reestreia foi ninguém menos que William Waack, jornalista demitido da TV Globo em dezembro do ano passado. Essa foi a primeira vez que ele esteve na televisão desde novembro, quando vazou na web um vídeo em que apareceu fazendo comentários racistas. Durante a conversa, o humorista deixou a comédia de lado e conduziu o papo de maneira séria, arrancando revelações do entrevistado. E considera que ele foi “generoso” por topar falar tão abertamente sobre tudo.

“Senti verdade nele. Quando ia entrar, apresentei o convidado à plateia e botei o vídeo no telão. Senti que aquilo podia ter sido um grande problema. Eu poderia tê-lo deixado bravo. Isso tirou, sim, um pouco do conforto dele, entrou um pouco desconcertado, mas me ajudou”, explicou ao Morning Show. “Ele foi muito generoso. Estava disposto a conversar. Achei que conseguimos um bate papo de igual para igual. Tenho a sensação de que consegui perguntar tudo o que queria. Por mais que eu não concorde com ele e ache que foi mesmo racista, não posso ficar batendo. Tenho que contrapor as ideias, mas é meu convidado, não vou esmurrar. Repercutiu bem, fiquei feliz”.

Durante o programa, Waack contou maiores detalhes da sua demissão e confirmou que fez um acordo com a antiga emissora para se manter em silêncio. Afirmou inclusive que se arrependeu das declarações preconceituosas que fez.

“Essa era a intenção. Eu queria tentar tirar isso dele. Fazer ele falar em rede nacional. Estou aprendendo a entrevistar. Meus produtores disseram ‘você é curioso então deixa a entrevista te levar’. Claro que li, estudei, fui preparado. Mas tem coisas que surgem na hora. Foi bacana poder ouvir esse cara. É um cara importante para caramba que cometeu um ato bastante equivocado. Fiquei feliz por que estreei em grande estilo. Todo mundo está sabendo que o programa voltou. Ficou na boca do povo”, disse.

Ao mesmo tempo em que grava nas telinhas, Porchat atua no canal Porta dos Fundos, um dos maiores sucessos do YouTube. Nos últimos anos, algumas de suas esquetes por sinal também foram alvo de críticas de parte do público por tratar de assuntos controversos (e delicados) da atualidade, como política e religião. O que ele não considera ser ruim. Muito pelo contrário.

“O ‘politicamente correto’ fez uma coisa boa que é fazer as pessoas pensarem antes de falar. Isso é interessante. Não posso me autocensurar. Posso pensar no que quiser. Mas preciso saber que pode dar m****. Assim analiso de novo se vale a pena, pergunto a opinião de alguém… Acho que as pessoas passaram a trabalhar mais com seu material, seja ele o pensamento ou a piada”, opinou. “O Silvio Santos, por exemplo. Hoje em dia ele está completamente doido. Deixa a calça cair, fala que vai comer não sei quem (risos). Sei lá. É interessante as pessoas falarem dele. É um cara consagrado, mas é legal questionarmos até as unanimidades. Até um gênio como ele tem que entender que os tempos são outros”, afirmou.

O apresentador contou ainda um pouco mais do que vai aparecer na nova temporada do Programa do Porchat. Em ano de eleição, obviamente a política não vai ficar de fora. Ele deve continuar tirando sarro dos candidatos – sejam eles quais forem – e analisa seriamente a possibilidade de convidar os presidenciáveis para sua bancada. Diferente de outros colegas, no entanto, ele não costuma declarar suas posições partidárias. Até por que diz nem mesmo ter uma.

“Minha posição é que a corja é grande e tem que investigar todo mundo. A Lava Jato destruiu a política brasileira, vimos que tem gente envolvida em todas as esferas. É uma loucura. Falência absoluta. Eu acredito em alguns movimentos novos que surgem. Acho o Lula safado. Mas não acredito muito em partido. Para mim tudo é problema. Nunca defendi nenhum. Prefiro acreditar nas pessoas. Apoiei o Freixo (candidato à prefeitura pelo Psol) no Rio de Janeiro. Mas só declarei voto, não vou para a rua me envolver. Até porque assim posso sacanear amanhã se eu quiser. Votei na Marina Silva na última eleição para presidente, mas ontem mesmo brinquei com ela. Disse que sumiu tanto que devia concorrer ao Oscar de efeito especial (risos)”, concluiu.

Nesta terça (6), a convidada do Programa do Porchat será Jojo Todynho, com quem ele promete fazer o “maior Que Tiro Foi Esse da história”. O humorista pode ser visto também semanalmente no Papo de Segunda, mesa de discussões exibida pelo canal GNT.