Prevenção, preconceito e tratamento: Morning Show discute ação contra a AIDS

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2018 13h12
Johnny Drum/Jovem PanLucas Raniel, André Canto e o Dr. Jean Gorinchteyn visitaram o Morning Show

No próximo sábado (1), comemora-se o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS, que, mesmo tendo surgido há 30 anos, ainda gera muitas dúvidas na população. O Morning Show desta quinta (29) trouxe o médico Jean Gorinchteyn, infectologista do Hospital Emílio Ribas; o publicitário e influenciador digital Lucas Raniel, que foi diagnosticado com HIV em 2013; e o roteirista e diretor André Canto, idealizador do projeto “Carta Para Além dos Muros”, para discutirem sobre o assunto.

No Brasil, a cada 15 minutos um brasileiro é infectado, são 109 casos por dia, 40 mil por ano. Para o Dr. Jean Gorinchteyn, investir em políticas públicas é a melhor forma de prevenção, pois permitem tratamento posterior e prévio, diminuindo a propagação do vírus. “Se alguém teve uma relação sexual duvidosa, acordou da balada e não lembra o que aconteceu no dia anterior, essa pessoa deve procurar um médico em até 72 horas para iniciar o tratamento de 28 dias”, explicou. “Também é possível que pessoas de risco, como profissionais de saúde, façam um tratamento prévio”, completou.

O roteirista André Canto compara os medicamentos prévios a pílulas anticoncepcionais e, os medicamentos posteriores com a pílula do dia seguinte. Para ele, o preconceito precisa acabar o quanto antes. “Enxergamos a doença como enxergávamos nos anos 80″, disse se referindo a não diferenciação do termo AIDS e HIV. “Eu sou gay e durante a descoberta da minha sexualidade eu tinha um pânico, achando que iria me infectar. Por que ainda temos tanto preconceito com uma doença de tratamento tão simples?”, questiona.

O Youtuber Lucas Raniel também é homossexual e sentiu necessidade em falar sobre a doença nas redes socais, após falsas informações divulgadas. “Diziam que eu estava passando AIDS para todo mundo e [depois do ocorrido] eu usei o Facebook para compartilhar essa história e o relato viralizou”, explicou sobre o início da vida pública.

No canal “Falo Memo”, o publicitário explica como é viver com HIV. Como retorno, ele recebe desde mensagens de ódio a relatos de jovens que escondem a doença dos pais. “’Você contraiu isso porque é gay’, ‘escória da sociedade’ eu já li muito isso nos meus vídeos”, comentou. “Eu também recebo relatos de pessoas que estão infectadas e sentem medo de serem colocadas para fora de casa por ter contraído a doença”, disse.

Justamente pela falta de diálogo dentro de casa, o diretor André Canto ressalta a importância da discussão também nas escolas. “O número maior ainda é entre homens homossexuais. Mas como vamos falar sobre prevenção com esse grupo se não podemos falar de sexo homoafetivo nas escolas? Como a família vai lidar com esse jovem?”, questionou. Canto finalizou com uma dica importante:“Sou eu o único responsável pela minha prevenção”.

O assunto será ainda mais discutido no projeto “Carta Para Além dos Muros” que se divide em série, livro e documentário, cujo trailer será divulgado na próxima sexta (30), mesma data que o médico Jean Gorinchteyn convida para palestra sobre “HIV em Jovens”, no Auditório Emílio Ribas, em São Paulo.