Profissão síndico? Especialistas apontam profissionalização do cargo

  • Por Jovem Pan
  • 30/08/2018 11h53 - Atualizado em 20/11/2018 02h32
Johnny Drum/Jovem Pan

Não é nada fácil viver em um condomínio e o papel do síndico tem se tornado cada vez mais importante para mediar e resolver os problemas que podem acabar com a paz entre os moradores. No Morning Show desta quinta-feira (30), os especialistas no assunto, Rodrigo Karpat e Angélica Arbex, ressaltaram que cada vez mais os síndicos estão de profissionalizando.

Vistos como “os senhores de mais idade”, o papel do síndico ganhou muita importância com a modernização dos condomínios e o cargo acabou se tornando “profissional”, tanto que já discutida a oficialização da profissão. Mas muitos se perguntam: qual é o papel do líder do condomínio?

“Na história de multar ou não, ele pode fazer o que vai contra o regulamento interno do prédio. O que é importante falar é que o condomínio é a nossa primeira comunidade. O papel dele é entender que tem uma teia legal de vizinhança, não precisa ser apenas briga. Pode ter economia compartilhada, ajudar amigos a levar filhos para a escola”, explicou Arbex.

“Ele cria isso fazendo festas, levando para pauta não apenas assunto chato, ajudando a formar comissões. Você acaba olhando para a parte boa. Tem que ter um papel maior do que o do velhinho aposentado que te dá multa por barulho depois das 22h”, completou.

A presença de um síndico responsável é essencial para o bom funcionamento do condomínio, que já são tratados como empresas. Segundo Karpat, muitos moradores têm procurado uma formação para exercer as funções com qualidade.

“O perfil do síndico mudou muito, ele exerce de forma mais profissional. Discute-se em Brasília até a regulamentação. O mal síndico pode trazer uma desvalorização de 30% no patrimônio pessoal. Os prédios são tratados como empresas. É esse o papel do síndico profissional. O morador tem buscado a formação para exercer com qualidade. É um mercado em expansão país a fora”, concluiu.