Protagonista de ‘O Fantasma da Ópera’ defende Lei Rouanet e conta acidente que sofreu no palco

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2019 12h14
Johnny Drum/Jovem PanBancada do "Morning Show" recebeu o tenor Thiago Arancam nesta quinta (21)

O tenor brasileiro Thiago Arancam esteve no estúdio do Morning Show desta quinta (21). Atualmente, ele está em cartaz como protagonista em “O Fantasma da Ópera” e, também, apresenta o seu show “Bela Primavera” em São Paulo no fim de semana.

Vista como elitista, Arancam esclarece que, em sua origem, a música clássica é popular. “Era uma forma de entretenimento do povo, vindo do povo, feito para o povo. Claro que depois se tornou uma coisa mais elitizada, mas aonde eu fui tive sorte de me deparar com as mais variadas classes sociais [na plateia]”, disse.

Arancam teve projeção em sua carreira internacional, apresentando-se principalmente nos Estados Unidos, na Europa e em alguns países da Ásia.

“O Fantasma da Ópera” está em cartaz desde agosto na capital paulista e, em outubro, o tenor sofreu um acidente em cima do palco que o deixou afastado por dois meses do musical.

“Faltavam 10 minutos para acabar o show e, em uma cena onde todos correm, meu figurino entrou embaixo do meu pé, acabei escorregando e caí. Bati minha clavícula no chão do palco e imediatamente meu braço foi pra trás porque quebrei o osso”.

“Continuei a cena seguinte cantando por mais uns 3 minutos, com uma dor enorme, até quando comecei a me desesperar e chorar. Pararam o espetáculo, fui para o hospital, e 12 minutos depois o meu cover entrou para continuar”, lembrou.

Sempre envolvida em pôlemicas, Thiago Arancam defendeu a Lei Rouanet. “É fundamental, sem ela não teríamos o espetáculo. Imagina um musical com royalties da Broadway, pagos em dólar, com mais de 200 pessoas que trabalham diretamente nele”.

“Fora os fornecedores, algo que dá cerca de 3.000 pessoas envolvidas. E só a bilheteria não paga porque além de produzir o espetáculo, precisamos pagar os direitos pra fora”, explicou.