Quanto mais velho, mais feliz? Autora e terapeuta debatem sobre mudança de percepção com o passar dos anos

  • Por Jovem Pan
  • 28/06/2019 12h15
Jovem PanPaula Napolitano e Mirian Goldenberg foram as convidadas do Morning Show nesta sexta (28)

A percepção de felicidade e liberdade muda com o passar dos anos, concluiu a escritora Mirian Goldenberg em seu livro “Liberdade, Felicidade e Foda-se”.

A partir de pesquisas feitas nas últimas três décadas, Mirian reuniu depoimentos de homens e mulheres dos 18 aos 98 anos sobre o que eles fazem em seu cotidiano para serem mais felizes e, principalmente, mais livres.

Ao seu lado, a terapeuta sexual Paula Napolitano esteve na bancada do Morning Show nesta sexta (28) para avaliar como as pessoas das mais variadas idades enxergam o “ser feliz” ao longo da vida.

“Eu recebia muita gente falando sobre depressão, briga, violência e pensei que precisamos sair dessa lama para falar de algo positivo. E é isso que o livro traz, mas os depoimentos de homens e mulheres”, disse Goldenberg.

Paula concorda que a ansiedade e depressão são causas de infelicidade. “É a sensação de que sempre falta algo que é preciso estar buscando e isso tem a ver com a liberdade também. Mas traz angústia porque hoje em dia temos muitas opções, mas não fomos muito ensinados para escolher e às vezes nem sabemos o que realmente queremos”, explicou a terapeuta.

“Poucas pessoas estão conectadas com o próprio desejo, pois muitas olham sempre pra idealização do outro. Com o livro, percebi que há uma idealização da felicidade com relação ao que o outro tem e no que te falta, por isso as pessoas sofrem muito. Obviamente todos têm uma falta e as pessoas em geral, mas principalmente as mais jovens não valorizam aquilo que têm e estão sempre olhando o outro”, completou Mirian.

  • Tags: