Visionária? Luiza Possi “previu” o sucesso de Pabllo Vittar antes da explosão de "K.O."

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2018 11h45
Jovem PanCantora foi a convidada do Morning Show nesta quinta-feira (01)

Em 2015, Luiza Possi filmou o videoclipe da música Insight. As gravações aconteceram em um cabaré no Rio de Janeiro e contou com a participação das drag queens Chloe Van Damme, Ravena Creole, Aurora Borealis, Natasha Fierce e – olha só – a grande celebridade do momento Pabllo Vittar. E você acredita que, naquela ocasião, antes mesmo da explosão do hit K.O. (lançada em 2017), Luiza já sabia que a drag iria estourar nacionalmente?

“A primeira pessoa que fez um clipe com ela fui eu. Ela me dublou em Insight. Ela é um astral! Eu falava ‘cara, essa menina/menino aí tem estrela’. Na época meu produtor do LP, meu último disco, estava fazendo um disco dela também. E eles não tinham ideia que ia estourar desse jeito, nem tinha tanta estrutura. Sobre a música, não me cabe achar nada. Só acho incrível o Brasil absorver coisas diferentes. Gosto dessa abertura de cabeça e coração. Gosto do fato de as crianças gostarem. É uma quebra de preconceito. As crianças não pensam ‘ah ela é drag será que posso gostar ou não’. Elas apenas gostam! Por esse viés acho Pabllo incrível”, explicou.

A cantora se prepara atualmente para uma mudança de turnês. No dia 9 de março apresenta o último show do Projeto Verão, com o qual está na estrada desde 2013. No dia 29 do mesmo mês, estreia a turnê de tributo a Michael Jackson. Todas as apresentações acontecem no Burlesque Paris 6, em São Paulo. Na bancada do Morning Show, Luiza contou que a ideia de homenagear o ídolo apareceu em 2016, quando cantou algumas músicas dele no programa Versões do Canal Bis. De acordo com ela, os fãs gostaram tanto que a “pressionaram” para que transformasse aquilo em um grande espetáculo com luzes, coreografia e tudo mais o que tem direito.

“Acho que, depois de 17 anos de carreira e 8 discos, dá vontade de experimentar outros caminhos. O Michael me influenciou demais. Às vezes nem sei o porquê, mas faço um acorde e automaticamente me lembro de uma música dele. Então por que não? A pergunta é essa. E a minha banda está comigo há 15 anos, temos tempo para ensaiar, todos são alucinados por ele. O legal é que a ideia não é fazer um cover, mas versões. Tanto que botei sanfona, violino, várias coisas diferentes”, revelou.

Luiza lembrou ainda que recentemente foi destaque em alguns tabloides por conta de uma fantasia que usou no Galo da Madrugada, maior bloco de carnaval do Recife. Em sua opinião, não houve motivo para tanta discussão. “Essa era a fantasia mais pudica que eu tinha (risos). É um macacão grudado no corpo e tinha perna e mangas compridas. A calcinha era até meio ‘de vó’ atrás. Bege e enorme. Por ser assim, não tinha risco de eu espirrar e tudo ficar à mostra”, brincou. “Nunca parei para pensar se ia mostrar muito. Queria ir de Eva e fui”.

Por fim, a convidada foi questionada por Claudio Tognolli sobre suas posições políticas, mais especificamente sobre suas opiniões acerca de Lula, Dilma e Temer. Bem-humorada, desconversou. “Não gosto de falar dessas coisas. O buraco é muito embaixo. Nunca dá tempo de eu falar e me explicar em um programa. Não acho que artista não deva falar, cada um faz o que quer da vida. Eu que não curto me posicionar. Está tudo uma m****, isso é unanimidade”, finalizou.