Lewandowski envia processo contra ex-ministro e Cunha para Justiça do RN

  • Por Jovem Pan
  • 21/10/2016 06h39
Eduardo Cunha e Marcelo Nobre

Eduardo Cunha é réu em três processos, mas nove outros inquéritos podem levar sua pena como a maior da Lava Jato. Preso em Curitiba por determinação do juiz federal Sérgio Moro, a defesa de Cunha tem trabalho dobrado, já que os processos contra ele estão distribuídos no Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba.

Agora, o ministro Ricardo Lewandowski decidiu enviar ao Rio Grande do Norte o processo contra o ex-ministro e também ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, que inclui Cunha.

A ligação com os executivos da OAS, Leo Magalhães e José Adelmário Pinheiro. A denúncia de recebimento de propina em forma de doação de campanha.

Em conversas interceptadas, Cunha fala em interesse da empresa em votações no Congresso e depois cobra doação para campanha de Alves.

NO RJ, a ação contra Cunha está no Tribunal Regional Federal. Ele é acusado de receber US$ 5 bilhões em propinas no contrato de navios-sonda da Petrobras. Em Brasília, ele é investigado por três inquéritos: propina no FGTS, fraudes nas obras do Porto Maravilha e beneficiamento da BTG com votação de medidas provisórias. No STF por pressionar o Grupo Schahine o inquérito principal da Lava Jato.

Cunha entra no grupo do PMDB e por envolver deputados e senadores da sigla, o processo permanece no Supremo Tribunal Federal.

*Informações do repórter José Maria Trindade