Ex-procurador não descarta a hipótese de condenados pela Lava Jato saírem da cadeia

  • Por Jovem Pan
  • 13/06/2019 20h02
Geraldo Bubniak/Estadão ConteúdoNo entanto, Carlos Fernando dos Santos Lima assegurou que não há validade jurídica nas conversas divulgadas pelo site "The Intercept"

O ex-procurador da Lava Jato em Curitiba, Carlos Fernando dos Santos Lima, agora aposentado, afirmou em entrevista ao programa Os Pingos nos Is nesta quinta-feira (13) que não descarta a hipótese de Luiz Inácio Lula da Silva e outros condenados pela Operação Lava Jato saírem da cadeia em razão dos vazamentos das supostas conversas entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol.

“Se esse fosse um país sério, os corruptos não sairiam da cadeia, mas, infelizmente, não podemos descartar essa possibilidade”, falou.

No entanto, ele assegurou que não há validade jurídica nas conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil e que “tentar fazer disso uma prova é criminoso”. “É apenas uma notícia que o The Intercept publicou pela vontade de um hacker criminoso”, explicou. “Não há meio de auferir que são verdadeiras e nenhuma delas pode ser considerada como prova de qualquer coisa, ao contrário do que disse o ministro Gilmar [Mendes].”

Ao ser perguntado sobre sua opinião em relação ao fornecimento de informações para jornalistas, afirmou que um dos pilares da Lava Jato é “informar e comunicar”, mas a sua dúvida é sobre “a integridade das mensagens”.

Considerado um mentor das diretrizes da Lava Jato, Santos Lima declarou que “não sabe exatamente o que foi vazado nessas interceptações”, mas que, primeiro, “enxerga uma motivação criminosa”. “Não creio que haja nenhum outro motivo que não o criminoso”, completou.

“Houve uma violação de sigilo telefônico, inúmeros crimes podem ter sido cometidos [na interceptação das conversas]. Precisamos primeiro investigar as motivações [das invasões aos celulares], mas quem está por trás é uma organização criminosa, sofisticada, e completamente orientada contra quem está combatendo a corrupção”, disse.

O ex-procurador confia, entretanto, que a Lava Jato sairá fortalecida. “É como hienas tentando cercar o leão, mas que não perceberam que ele ainda está muito vivo e que não conseguirão vencer no final.”