De ambulante a palestrante em Harvard: a história inspiradora de Rick Chesther

  • Por Jovem Pan
  • 26/09/2018 14h05
Johnny Drum/Jovem Pan<p>Rick Chesther compartilhou sua história inspiradora no Pânico</p>

Rick Chesther tinha tudo para dar errado. Mas deu certo. Desde cedo o ex-vendedor ambulante e agora palestrante e consultor econômico, teve que lutar contra as estatísticas, segundo ele próprio: negro, pobre, favelado e tendo que optar por trabalhar ao invés de estudar.

Foi aí que Rick percebeu que não seria vítima de uma situação que, à primeira vista, seria inevitável. Em entrevista ao Pânico, ele contou que, desde aos 7 anos de idade, decidiu que estaria pronto para enfrentar qualquer desafio.

“Minha mãe sofreu um derrame, estava desenganada pelos médicos e meu pai nos chamou e falou: ‘vocês têm que estar prontos, na vida você tem que estar pronto'”. A partir daí, ele decidiu fazer uma horta para vender verduras e conseguir ajudar na renda familiar. E nunca mais parou.

Em 2018, acabou viralizando em vídeo em que faz as contas do quanto lucrava vendendo água na praia. E tudo aconteceu quando recebeu críticas ao dar a sua opinião sobre crise. Segundo ele, um turista disse: “esse neguinho pensa que pode falar de crise”.

Ao invés de se abater, Rick fez o contrário. Resolveu gravar um vídeo com a sua impressão: “na verdade, infelizmente, nossa população foi doutrinada a olhar apenas o resultado, não o trajeto”. “A maior crise está nas pessoas”, acredita. Ganhou mais de 10 mil seguidores no Instagram e começou a dar palestras junto com a Geração de Valor.

“Hoje, eu já dei mais de 35 palestrar, fui para Harvard, vou pro Japão, França. As coisas vão começar a mudar a partir do momento que você mudar, nenhum problema do nosso país é maior do que os nossos enquanto massa. Eu falo disso para as pessoas”, afirmou.

Lançando seu livro “Pegando a Visão”, Rick acredita que o poder de transformação está dentro de cada um. “A vida não é justa, país está em crise, mas a galera deixa de perceber que o caminhar dela que vai ditar para onde ela vai. (…) Nós temos que investir em pessoas, eu investi em mim. Se você for uma empresa falida, nenhuma vai querer te empregar. Qualquer pessoa pode chegar a qualquer lugar única e exclusivamente por causa das suas escolhas”, disse.