Hebe Camargo recusou oferta de programa vespertino na Globo, conta Artur Xexéo

  • Por Jovem Pan
  • 06/06/2017 14h29
Johnny Drum/ Jovem Pan

“Rainha da TV brasileira”, Hebe Camargo passou pelas principais emissoras do País, mas nunca levou seu famoso sofá para a Globo. Artur Xexéo, responsável por escrever a biografia da apresentadora, contou no Pânico na Rádio desta terça-feira (6) que Hebe não foi para a emissora por escolha. Ela foi convidada pela Globo, mas recusou a oferta.

“Todo mundo gostava da Hebe. Ela negociou com a Globo, mas a emissora queria ela no sábado vespertino em um programa gravado e ela não se interessou”, contou Xexéo. “Hebe gostava do auditório, ela precisava dele para ver a reação”, completou.

Hebe encerrou a carreira na RedeTV antes de morrer, em dezembro de 2012, mas conforme contou o jornalista, ela já estava negociando seu retorno para o SBT. “Quando Hebe saiu da RedeTV, ela ficou sem emprego e morreu 3 meses depois. Nesse período, o Silvio [Santos] a convidou para voltar ao SBT. Ela morreu achando que ia voltar à emissora, ela morreu feliz”, falou.

Foi nesse momento, quando Silvio Santos convidou Hebe para voltar ao SBT, que a apresentadora deixou para trás a mágoa que guardava por ter deixado a emissora em 2010. Apesar da intimidade que Silvio e Hebe pareciam ter, Xexéo disse acreditar que a relação dos dois não era assim.

“Acho que Silvio e Hebe não tinham um relacionamento próximo. Não dá para dizer que eles eram amigos”, falou. Ainda assim, o respeito que eles mantinham um pelo outro era inegável.

Cinco anos depois da morte de Hebe, a TV brasileira ainda não conseguiu encontrar alguém que fizesse o mesmo que a apresentadora. Para Xexéo, a explicação é simples: “não foi o formato [do programa] que morreu, mas a Hebe fez de maneira bem-sucedida e não encontraram uma substituta para ela”.

A naturalidade com que a apresentadora comandava o programa era a chave de seu sucesso. “A espontaneidade que ela conseguia passar pro espectador… todos se sentiam íntimos dela”, falou ao dizer que esse foi o maior desafio da biografia de Hebe.

“Minha maior preocupação quando fui escrever o livro foi: ‘o que vou contar que alguém já não saiba sobre ela?’. A Hebe contava tudo o que acontecia na vida dela na televisão, ela não foi uma mulher de segredos”, revelou.

Ainda assim, Xexéo, com a ajuda da família de Hebe, conseguiu reviver a memória da apresentadora em “Hebe – A Biografia”. Esse foi apenas o 1º projeto sobre a vida da “rainha da TV brasileira”, que ainda será adaptado para um musical de teatro, uma exposição, um documentário e um filme de ficção.