‘Inspire-se nos outros, não se compare’, aconselha o neurocientista Pedro Calabrez

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2019 14h16
Jovem PanO professor Pedro Calabrez foi o convidado do Pânico nesta quarta-feira (17)

Professor, palestrante e neurocientista, Pedro Calabrez tem se dedicado há anos a estudar o cérebro humano do ponto de vista biológico. No entanto, ele vem cada vez mais aproximando seu trabalho da filosofia e de outros campos. Isso é coroado com o livro “Em Busca de Nós Mesmos”, que o cientista escreveu com o filósofo Clóvis de Barros Filho. “O livro é um diálogo entre a minha especialidade e a especialidade do Clóvis, a filosofia”, explicou em entrevista ao Pânico nesta quarta-feira (17).

Os dois campos estão, de fato, muito conectados. Calabrez explicou que coisas estudadas pela filosofia têm reflexo na neurociência e nos estímulos do cérebro. A paixão é um exemplo. “A paixão é quando você está literalmente demente, você quer a pessoa. Durante a paixão, você tem compulsão, quando você está com a pessoa, você quer mais”, disse.

O professor também discutiu a inveja e o sentimento de inferioridade. Para ele, uma das causas disso é o fato das pessoas estarem sempre se comparando a outras. “Inveja é você se comparando com alguém”, disse. “É diferente você se inspirar em alguém e se comparar a alguém. […] Inspire-se nos outros, não se compare”, aconselhou Calabrez. Ele usou Albert Einstein como exemplo. “Se você for querer estudar física e chegar ao nível do Einstein, a probabilidade de você se frustrar é enorme.”

O exemplo, no entanto, está muito mais perto do que comparações com Einstein. As redes sociais são ambientes cada vez mais usados para as pessoas compararem suas vidas com as dos outros. “O que recomendo às pessoas é: pare de passar tantas horas por dia nas redes sociais. A melhor forma é você cortar o estímulo. Pare de olhar se aquilo está te incomodando, te fazendo se comparar com a vida alheia”, frisou o neurocientista.

Apesar disso, ele reconheceu a facilidade que as redes trazem para as interações sociais, entre elas o Tinder. “O Tinder te esconde o fracasso. Imagina se ele avisasse toda vez que você fosse rejeitado?”, disse Pedro Calabrez sobre o sucesso do aplicativo de relacionamentos.