Janaina Paschoal: A derrota de Renan Calheiros foi uma vitória da nação

  • 06/02/2019 19h16
Brasil, São Paulo, SP. 18/9/2015. A Jurista Janaina Paschoal posa para fotos na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Janaina Paschoal organiza um manifesto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. - Crédito:CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:193989Janaína Paschoal

Entrevistada pelo programa Perguntar não Ofende, a deputada estadual Janaina Paschoal afirmou que a derrota de Renan Calheiros na disputa pela presidência do Senado foi uma vitória do Brasil. Principal articuladora do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ela aprovou o conjunto de medidas de combate à corrupção e outros crimes anunciado por Sergio Moro nesta segunda-feira. “É um projeto que tem uma linha mestra”, observa. “Algum especialista pode até não concordar com algum ponto, mas é impossível alguém negar que tenha consistência”.

Um dos pontos positivos apontados por Janaina está no fato de o pacote trabalhar com o princípio da proporcionalidade, distinguindo, por exemplo, o que é a criminalidade organizada da comum. “Se você punir todo mundo de maneira grave, mesmo aqueles que não merecem, o peso da punição perde o sentido”, diz. “Por outro lado, se deixar de punir, as pessoas perdem a referência do que pode e do que não pode”.

Candidata à presidência da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), a parlamentar do PSL denunciou uma aliança informal entre PT e PSDB. “Não existe eleição lá dentro”, afirma. “Há um acordo prévio entre o PT e o PSDB, em que um partido fica com a presidência e o outro com a primeira secretaria”. Embora pretenda apresentar um projeto de lei que garanta às mulheres o direito de exigir fazer cesarianas pelo SUS, Janaina acredita que seu papel na Alesp será outro: “Estou entrando muito mais com o objetivo de tentar evitar coisas ruins do que fazer valer as minhas ideias boas”.