Pesquisa mostra que avanço de terrorismo faz aumentar rejeição a refugiados

  • Por Jovem Pan
  • 12/08/2016 08h50

Algumas pessoas foram expulsas da União Europeia para a Turquia por erro das forças de segurança gregas.

Refugiados chegam a porto de Dikili em Izmir

Um levantamento mostra que 6 em 10 moradores de países ricos e emergentes acreditam que facilitar a entrada de refugiados significa elevar o risco de atos terroristas.

O dado é de uma pesquisa do Instituto Ipsos, que ouviu mais de 16 mil pessoas, em 22 países, incluindo o Brasil.

De acordo com o relatório, 61% dos entrevistados concordaram com a afirmação de que terroristas fingem solicitar refúgio, apenas como pretexto para efetuar atentados.

Na França, por exemplo, 79% da população acredita que os pedidos de asilo funcionam como recurso, para a entrada de criminosos.

O presidente da Comissão de Refugiados da OAB São Paulo lembrou que, apesar de muitos terroristas terem origem em outros países, a maior parte dos suspeitos já vivia nos locais escolhidos para os ataques. “A gente tem que deixar claro que nenhum desses estrangeiros, ou a grande maioria destes, que estão ligadas a atos terroristas não eram refugiados”, disse.

O professor Manoel Furriela acrescentou ainda que a associação equivocada entre refugiados e terrorismo deve dificultar, ainda mais, a solução da crise humanitária.

De acordo com dados do Acnur, atualmente, mais de 65 milhões de pessoas vivem afastadas dos locais de origem, por conta de conflitos armados e perseguição políticas, sexuais ou religosas.

O número de deslocamentos forçados é o mais alto já registrado no planeta, desde a Segunda Guerra Mundial.

*Informações do repórter Victor Brown