‘O Haddad criou o kit gay’, diz Jair Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2018 14h04
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoEm entrevista ao Pânico, presidenciável criticou novamente o suposto material

Em entrevista ao Pânico desta terça-feira (9), o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que seu concorrente Fernando Haddad (PT) foi o responsável pela criação do “kit gay”. “O Haddad era ministro da educação [do governo Lula], ele criou o kit gay”, afirmou o presidenciável.

Bolsonaro garantiu que não tem nada contra homossexuais e que sua luta é apenas contra o que ele chama de “kit gay” — que é, na verdade, o documento “Escola Sem Homofobia”, que foi vetado pelo governo federal em 2011 e não chegou a ser distribuído para as escolas. “Quem não tem um amigo ou parente gay? O que eu tenho contra vocês? A minha briga sempre foi contra o material escolar”, afirmou. “Eu quero que o gay seja feliz.”

O candidato do PSL disse também que “até os homossexuais que têm filhos” concordam com sua bandeira. “Mesmo os gays que têm filhos não querem isso para o seu filho na sala de aula. O pai não quer chegar em casa e ver o filho brincando de boneca por influência da escola”, disse. “Não se aprende nada na escola, é filme de menino se beijando, filme de menina se acariciando. A escola é para aprender matemática, química, física, e não sexo.”

Ainda falando sobre educação, afirmou que está buscando um ministro que tenha autoridade para impor suas visões. “Estou procurando um ministro da educação que tenha autoridade e expulse a filosofia de Paulo Freire das escolas”.

Segurança pública

Defendendo uma das grandes bandeiras de sua campanha, Jair Bolsonaro falou mais uma vez sobre a liberação do porte de armas. “O povo quer ter o direito de ter arma. Obviamente que não vai ser todo mundo que vai sair armado por aí, vai ter critério. O porte não vai ser tão restrito como está agora”, garantiu.

O candidato também afirmou qual é seu plano para frear a violência no país. “Nós reverteremos a curva da violência no Brasil se dermos não só ao policial, mas ao cidadão, o direito de reagir e não ser processado”, explicou. “O bandido tem que saber que se invadir uma casa, vai levar um tiro, e quem atirou não vai ser punido.”

Além disso, disse que pretende impor regras mais duras a presos. “Nós vamos entupir a cadeia de bandidos”, prometeu. “A cadeia é a antessala do inferno, mas é uma questão de opção, não podemos viver apavorados aqui fora”, opinou, afirmando que “quem andar na linha” não será preso. “Não pode passar a mão na cabeça de bandido. Quem está na cadeia, fez por merecer”, afirmou, ressaltando que não perdoa o homem que o atacou com uma faca no mês passado. “Pra mim, ele mofa na cadeia.”

O ex-capitão do Exército também prometeu um combate mais duro às invasões de propriedade. “Nós temos que tipificar invasão de propriedade como terrorismo”, disse. “Quem quiser emagrecer, compre produtos do MST, porque eles não produzem nada”, ironizou.