Retirada de 80% do menisco pode abreviar a carreira de Goulart, diz especialista

  • Por Jovem Pan
  • 21/05/2019 18h14
Peter Leone/Futura Press/Estadão ConteúdoRicardo Goulart se lesionou há três semanas, na vitória do Palmeiras por 4 a 0 sobre o Fortaleza pela 1ª rodada do Brasileirão

O Palmeiras disse não ser possível nem relevante afirmar a porcentagem do menisco que foi retirada do joelho direito de Ricardo Goulart na cirurgia realizada há três semanas. No entanto, a informação divulgada pelo repórter Vinícius Bueno, da Rádio Bandeirantes, de que a intervenção deixou o jogador com 80% a menos do menisco lateral é, sim, preocupante. Foi isto, pelo menos, o que afirmou Dr. Rene Abdalla, especialista responsável pelo Instituto do Joelho no HCor.

Em entrevista exclusiva ao repórter Raphael Thebas, da Rádio Jovem Pan, o médico disse que a retirada de uma porcentagem tão grande do menisco lateral não é comum e esclareceu que, nesses casos, apesar de o atleta poder voltar a atuar no mesmo nível de antes, a tendência é de que ele tenha a carreira abreviada.

“Tirar 80% do menisco é uma coisa séria”, definiu Abdalla. “Eu sempre digo que quem tira 20% do menisco tem 20% de chance de ter artrose nesse local. Então, quem tira 80% do menisco tem 80% de chance. Eu acho que ele volta bem, sem problemas. Eu só me preocupo com o futuro do atleta. Não sei até quando ele vai… Essa seria a colocação mais ponderada a se fazer agora”, explicou.

“Ele vai sofrer um processo adaptativo, mas volta bem. A volta, a curto prazo, é boa. Agora… A longo prazo é que a gente tem de ficar preocupado, possivelmente antevendo algum tipo de problema”, acrescentou, salientando, também, que o atacante de 27 anos fez, no fim do ano passado, uma cirurgia para tratar de um problema de cartilagem no mesmo joelho.

O que disse o Palmeiras?

Nesta terça-feira, o clube alviverde detalhou a situação de Ricardo Goulart. O Palmeiras confirmou que retirou uma parte extensa do menisco lateral do meia-atacante, mas disse não ser possível nem relevante afirmar qual porcentagem. Segundo os médicos do Verdão, pode-se compensar de outras formas, com treinos específicos e cuidados com o corpo, a ausência do menisco – que é uma cartilagem da articulação do joelho que tem como principal função amortecer os impactos.

Ainda de acordo com o Palmeiras, o jogador tem respondido bem aos estímulos durante os trabalhos, e a expectativa é de que não haja qualquer prejuízo à carreira dele. O tempo estimado de recuperação, de pelo menos quatro semanas mais um período de recondicionamento físico, permanece. Portanto, Goulart só deve voltar a estar à disposição de Luiz Felipe Scolari no segundo semestre deste ano, após a disputa da Copa América.